Renault diz que novo carro terá desenho completamente diferente

A Renault revelou que seu carro para a temporada de 2019 da F1 terá um desenho completamente novo, sendo que apenas o sistema de direção assistida será mantido do ano passado.

Com novas regras aerodinâmicas forçando as equipes a replanejar seus modelos, a Renault optou por modificar quase tudo na tentativa de encontrar mais performance.

O diretor executivo da equipe, Marcin Budkoswki, afirmou que a busca por produzir o carro mais rápido possível aumentou o nível de pressão devido à quantidade de trabalho necessária, mas considera que os ganhos valerão a pena.

“É sempre desafiador ter um carro de milhares e milhares de peças, sendo que a única coisa que carregaremos do ano passado é a direção assistida”, disse Budkowski, quando questionado pelo Motorsport.com sobre o progresso com o carro de 2019.

“Isso dá uma ideia de que todo o restante [do carro] está mudando, e muda porque estamos tentando espremer toda a performance do carro em todas as áreas.”

“É um grande esforço fazer tudo do zero, além das novas regras, mas é uma meta de performance. Para quanto mais tarde você deixar, mais performance você vai ter, mas fica mais estressante fazer tudo a tempo.”

A Renault já foi aprovada no teste de impacto obrigatório da FIA e confirmou o lançamento de seu carro para o dia 12 de fevereiro, em sua fábrica em Enstone, pouco antes do começo dos testes na semana seguinte.

Questionado se o carro estava dentro do cronograma para participar do primeiro teste, Budkowski disse: “É apertado. Muito apertado. Mas é sempre apertado.”

“E, se não fosse apertado, seria errado, porque, por definição, você deixa tudo para o mais tarde possível para tentar obter o máximo de performance que puder antes de se comprometer a fabricar as peças e colocá-las no carro.”

“Nós deixamos para depois, mas tomara que tenha sido pelas razões corretas em termos de performance e teremos um carro a tempo para o primeiro teste e para o lançamento. É assim que deve ser.”

Além dos passos obtidos no chassi, a Renault segue confiante com seu novo desenho de motor – apesar de que um fator fundamental será a confiabilidade.

“Estamos muito otimistas com o lado do motor, mas o lado do motor é como o lado do chassi. Ele nunca acaba até que você determina o motor que irá para a primeira corrida”, acrescentou.

“Está muito promissor em termos de performance, mas ainda temos que colocar os pingos nos is em termos de confiabilidade e durabilidade, o que estamos fazendo agora em Viry [Chatillon, fábrica de motores da Renault].”

“Ainda estamos trabalhando no motor que iniciará o ano, e no fim temos que encontrar um meio termo entre performance e confiabilidade. Você pode extrair mais performance do motor, mas pode ser que ele não dure o número de corridas que você quer.”

“Então, temos que ver onde o cursor para em termos de performance versus a confiabilidade, mas estamos otimistas.”