Chico Landi, o pioneiro entre os pilotos brasileiros na Fórmula 1

Falecido em 7 de junho de 1989, "seo" Chico foi o primeiro brasileiro a vencer uma prova internacional, em Bari, e o primeiro a correr na principal categoria do automobilismo, em 1951

Francisco Sacco Landi é um dos nomes mais importantes da história do automobilismo brasileiro. Nascido em 11 de julho de 1907, Chico foi o primeiro brasileiro a competir na Fórmula 1, no GP da Itália de 1951, e, depois de terminar a carreira internacional, seguiu se destacando no Brasil. Há exatos 29 anos, "seo" Chico nos deixava, mas a sua marca ficou para sempre.

Natural de São Paulo, Chico começou a trabalhar aos 11 anos como mecânico e passou a se destacar como pilotos nas nacionais na década de 1930, como no Circuito da Gávea, onde venceu em 1941, 1947 e 1948. Landi iniciou a carreira internacional em 1947, correndo o prestigiado Grande Prêmio de Bari com uma Maserati. No ano seguinte, Chico venceu a corrida, desta vez com uma Ferrari. Foi a primeira vitória de um brasileiro num grande prêmio no exterior.

Chico Landi venceu por três vezes no Circuito da Gávea (Foto: Reprodução)

Depois de correr as provas de Bari e Monza em 1949, com dois quartos lugares, Chico não participou de nenhuma corrida na temporada inaugural do Campeonato Mundial de Fórmula 1, no ano seguinte. Apenas em 1951, Landi resolveu se aventurar na categoria.

Para correr na Europa naqueles tempos, Chico criou a Escuderia Bandeirantes, usando carros da Maserati. Landi se inscreveu para correr na Alemanha, em Nürbugring, mas não participou das atividades, o que viria apenas a acontecer em Monza, na Itália.

No entanto, a estreia não foi nem pela Escuderia Bandeirantes, nem com a Maserati. Com uma Ferrari alugada, Chico conseguiu a 16ª colocação no grid entre 22 pilotos. No entanto, a primeira corrida de um brasileiro na história da F1 durou apenas uma volta, devido à quebra da transmissão.

Escuderia Bandeirantes levou o Brasil à Fórmula 1, em 1951 (Foto: Reprodução)

Ainda em 1951, Landi inscreveu a Escuderia Bandeirantes para o GP da Espanha, mas outra vez não compareceu, o que se repetiria na etapa da França, em 1952. Mas naquele mesmo ano, Chico participou de duas corridas, na Holanda e Itália, chegando ao fim em ambas na nona e oitava posições.

Enquanto participava de outras corridas internacionais, como de Fórmula 2, Chico correu duas provas do campeonato da F1 em 1953, mas não as completou, na Suíça e na Itália.

Chico não participou de nenhuma corrida de Fórmula 1 em 1954 e 1955. Curiosamente, no que seria sua última participação na categoria, no GP da Argentina de 1956, Landi marcou seus primeiros - e únicos - pontos.

Com uma Maserati, Landi foi inscrito em parceria com o italiano Gerino Gerini, como permitia o regulamento da época. O carro número 10 largou na 11ª de 13 posições no grid, e Landi pilotou as primeiras 46 de 98 voltas, subindo para sexto.

Gerini assumiu o carro e completou as 52 voltas restantes na quarta posição, o que rendeu 1,5 ponto para cada piloto na tábua de classificação do campeonato. Foi a primeira vez que um brasileiro marcou pontos no Mundial de Fórmula 1.

Landi no meio de Emerson e Senna nos anos 1980 em Interlagos (Foto: Reprodução)

Com 49 anos de idade, Landi decidiu encerrar a carreira internacional. Mas Chico continuou a competir no Brasil, tendo sucesso em corridas como Mil Milhas, 500 Quilômetros e 24 Horas de Interlagos. Só em 1974, com 66 anos de idade, "seo" Chico disputou sua última corrida.

Até 1985, Landi foi diretor do autódromo de Interlagos. Em 1989, o fumante Chico não resistiu a um ataque cardíaco e morreu aos 81 anos.

FONTE: https://globoesporte.globo.com/motor/formula-1/blogs/f1-memoria/noticia/chico-landi-o-pioneiro-entre-os-pilotos-brasileiros-na-formula-1.ghtml

Confira também: A trajetória e carreira de alguns pilotos de F1 no kart